Empire Notícias

Notícia

Vícios Emocionais um gatilho de auto destruição

Ronaldo Correia

Publicidade

Nome do anunciante aqui!

Assuma o controle de suas emoções mais consistentes e comece conscientemente e deliberadamente a remodelar a sua experiência diária de vida.

Tony Robbins

 

 

Vícios Emocionais um gatilho de auto destruição

 

Quando pensamos em vícios logo vem em nossa mente pessoas viciadas em algum tipo de droga ilícita ou até mesmo lícitas. A esse chamamos de vícios químicos igualmente prejudicial a vida destas pessoas. No entanto, existe um outro tipo de vício muito nocivo e drástico capaz de comprometer nossa vida em todos os pilares; OS VÍCIOS EMOCIONAIS. Todos nós apresentamos algum tipo de vicio emocional, alguns mais fortes e intensos e outros mais sutis. Nesse sentido precisamos identificar, gerenciar e combater esse círculo vicioso para que os mesmos não causem danos maiores e desastrosos as nossas vidas.

Vícios emocionais são sentimentos, emoções e comportamentos negativos que alimentamos habitualmente e que nos fazem mal. Para que fique mais didático o tema vou trazer alguns exemplos: Vamos entender melhor o que é um vício. Uma pessoa alcoólatra que não consegue deixar o álcool, ela precisa da bebida para que o seu corpo se sinta satisfeito. Para além disso, a bebida impacta suas emoções, o ato de beber causa prazer, relaxamento, encorajamento dentre outras sensações, ou seja, ela precisa manter esse hábito mesmo sabendo que lhe faz mal e as pessoas ao seu redor. Portanto tem dificuldades de abandonar o hábito devido as sensações que o álcool lhe traz.

Pense em uma pessoa que habitualmente passa o dia inteiro alimentando, remoendo sentimentos negativos; o que não fez, o deveria ter feito, porque não fez determinada coisa ou ação. Esses pensamentos a conduz aos sentimentos de tristeza, angústia e ansiedade. Mas ela está tão acostumada a se sentir assim que ficou VICIADA EM SUAS PROPRIAS EMOÇÕES NEGATIVAS.

Para entender melhor, pense em uma pessoa que está constantemente estressada. Ela está habituada a viver sob pressão, com a adrenalina e o cortisol que o seu organismo libera. Por isso, tende a sempre procurar problemas com o intuito de satisfazer esse seu vício, o que muitas vezes acontece de forma inconsciente.

Nesse caso, uma pessoa viciada precisa constantemente experimentar as mesmas sensações e, geralmente, elas são negativas, mas provocam uma resposta orgânica liberando neurotransmissores que promovem uma espécie de satisfação para o organismo e para a mente.

De acordo com Tony Robbins as causas dos vícios emocionais podem estar ligadas ao que ele chama de “padrão de uso da própria fisiologia”. O que isso significa? O conjunto de emoções, comportamentos, postura corporal, sua respiração, sua alimentação, a tensão muscular e o funcionamento bioquímico do organismo tendem a respeitar padrões que são estabelecidos pelos hábitos das pessoas. Trocando em miúdos é o famoso piloto automático.

Vamos entender um pouco mais os vícios emocionais por meio da Neurociência. O sistema responsável por nossos sentimentos e emoções é o Límbico. Ele é composto pela Amígdala, Tálamo, Hipocampo, Hipotálamo, Hipófise entre outras estruturas cerebrais. O Hipotálamo e a hipófise controlam quase todo o funcionamento do nosso corpo; dor pensamentos, sentimentos. Unindo ao sistema nervoso e o sistema endócrino. A regulação das secreções neuro-hormonais da hipófise se dá pelo hipotálamo, responsável por nossas emoções (ansiedade, prazer sexual, humor, raiva, medo, alegria agressividade, qualquer outro sentimento).

Os neuro-hormônios ou neurotransmissores, são as substâncias que levam as informações das emoções humanas do cérebro para todo o corpo, fazendo um meio de comunicação do sistema nervoso até os neuroreceptores espalhados pelo corpo.

Portanto, para cada emoção existe uma combinação específica de neurotransmissores e hormônios. Por exemplo, quando estamos com raiva, as suprarrenais produzem a adrenalina, um hormônio que nos deixa preparados para a luta com contração muscular, ausência de dores no momento da descarga hormonal, aumento dos batimentos cardíacos e do nível de açúcar no sangue, sentidos aguçados e reflexo redobrado. Isso, só porque o corpo comunicou uma fisiologia de enfrentamento ou medo.

A mente humana produz os neurotransmissores e neuroreceptores em decorrência da nossa fisiologia corporal e pensamentos. Então a nossa expressão facial, postura, voz, gestos, etc, e as imagens internas junto com o diálogo interno, comandam o hipotálamo no direcionamento hormonal e neuro-hormonal, exatamente como diz Tony Robbins no livro: Poder sem limites.   Logo, para cada comunicação, pensamento e sentimento humano existe um correspondente químico.

Notem! Se mudamos nossa comunicação visual franzindo a testa em sinal de tensão, contraindo a musculatura, a respiração se torna ofegante, rápida e curta, imediatamente o corpo produz uma nova química (adrenalina) e o neutransmissor cortisol são lançados no nosso corpo nos deixando preparados e posição de ataque ou para fugir desta situação. A questão é que se o nosso corpo produz por muito tempo e em grandes quantidades estas substâncias o resultado é um vício emocional e como consequências uma intoxicação, problemas emocionais, comportamentais e físicos.

Os vícios emocionais não surgem de uma hora para outra. A grande maioria das pessoas nem se dão conta que estão agindo dessa forma. Não compreendem o que está acontecendo mas continuam o tempo todo se expondo a estas sensações prazerosas mesmo que negativas.

Esta exposição constante a determinadas situações que provocam impactos em nossas emoções e sentimentos, gerando respostas orgânicas, podem acontecer em qualquer momento da vida, porém existe um marco importante, geralmente na infância. Normalmente a exposição dessa criança a estímulos emocionais negativos repetidamente criará nela um hábito em relação àquele sentimento. Logo, ao longo de sua vida irá se manter na zona de conforto, vivenciando todos esses sentimentos e emoções em vários momentos e decisões de sua vida.

Vejam! Vícios emocionais podem surgir em qualquer idade. Basta que a pessoa esteja constantemente agindo da mesma forma e se submetendo às mesmas situações, como: estresse, vitimização, mentira, fofoca, tristeza, reclamações, raiva, briga, frustração, dificuldades financeiras, traição, limpeza, recomeço ou a procrastinação como disse no artigo anterior, e, mesmo que tudo esteja bem, ela procura criar essas situações, inconsciente ou conscientemente, a fim de mais uma vez experimentar as sensações desencadeadas em sua mente e corpo. Porém, de modo geral, isso faz com que se mantenha em um círculo vicioso, sem avançar, buscando que alguém resolva o problema dela e claro, afetando quem está ao seu redor.

Vícios emocionais tiram nossa liberdade de agir, pensar e sentir. Inundados por tais sentimentos e comportamentos não temos escolhas, são os nossos vícios que nos controlam, são eles quem escolhem sobretudo o nosso agir. Portanto reconhecer as emoções pelas quais estamos “viciados” é de fundamental importância. Pois o primeiro passo para nos livrarmos desse ciclo vicioso é termos a CONSCIÊNCIA que eles existem em nós. Ao reconhecer os vícios vamos aos poucos deixando de alimentá-los. Os vícios sem serem alimentados vão perdendo força até desaparecer por completo. Atenção!!! Eu sei que você está achando fácil demais para ser verdade e se eu estivesse no seu lugar também eu também acharia. Mas apenas digo que é simples eliminar os vícios emocionais por meio desta técnica que passarei a lhes ensinar.

  • Identifique-os: Um inimigo escondido é mais desafiador de vencê-lo! Anote suas emoções ao longo do dia e seus comportamentos decorrentes destas emoções;
  • Traga consciência: Após identificar estas emoções e comportamentos faça uma análise profunda deles. O que disparou tais emoções? Quais problemas e situações teve que lidar? Quais foram suas consequências?

Desta lista de identificação escolha 3 emoções que deseja trabalhar;

  • Esteja presente para esse vício: Ao escolher 3 emoções se faça presente a eles no seu dia. Fique atenta. Não se distraia, não descuide seu olhar a eles. Nesse momento pode ocorrer um fenômeno muito comum a alguns clientes: Pensamentos sabotadores, do tipo; Será que isso tudo vale a pena? Não é perca de tempo? Não seria melhor eu sonhar o sonho dos outras nas redes socias?

Portanto, redobre a sua atenção;

  • Crie pensamentos, emoções e comportamentos positivos: Exercite os músculos do seu rosto sorrindo mais. Traga as memórias afetivas positivas que você viveu ao longo de sua vida: o nascimento de um filho, sinta as emoções e troca de olhares no momento da amamentação, seu casamento, o campeonato que seu time do coração venceu, a compra da casa própria ou do carro, a aprovação em uma prova oficial, trabalhe sua comunicação não verbal;
  • Faça atividades físicas: Pelo menos uma vez por semana faça uma caminha e depois amplie sua constância. A atividade física libera a endorfina e a serotonina (hormônios do prazer, humor e bem estar);
  • Crie novos hábitos e saudáveis: Tire um dia para viver um tempo de qualidade com a esposa, filhos ou família, leia bons livros, assista filmes que sejam relevantes para seu propósito, faça uma visita a um lar de idosos, faça um piquenique no parque com a família, ao chegar um casa desligue (se possível) o celular e brinque com seus filhos, esposa ou familiares, faça alimentações saudáveis (coma alimentos que diminua a taxa de açúcar no sangue, pois estes não elevarão o nível de cortisol no sangue), faça exercícios de respiração sobretudo quando se sentir ansioso ou nervoso;
  • Faça um processo de Coaching: No processo de coaching conduzimos nossos clientes (coachees) a um profundo autoconhecimento por meio de uma metodologia cientificamente comprovada capaz de potencializar o poder pessoal de cada um, focado em ações e resultados, eliminando possíveis impedimentos, traçando um plano de ação para todas as áreas da sua vida.

 

Eu tenho certeza que você assim como eu já teve a vontade de deixar tudo para traz, chutar o pau da barraca, abandonar o barco, desistir da jornada. Digo isso porque já vivi esse momento em minha vida. E sei exatamente quais são os sentimentos, emoções e comportamentos quando “mergulhado, acorrentado” em meus vícios emocionais. Ao passar por um processo de coaching no qual minhas crenças foram reprogramadas, atingi resultados nunca antes alcançados, aprendi que: 1. Infelizmente ninguém consegue atravessar o rio SOZINHO; 2. Não importa o caminho, as pedras, as dificuldades, desafios e sim a JORNADA; 3. Precisaria me tornar Coach para que por meio de minha experiência pessoal e profissional pudesse contribuir para que as pessoas vençam assim como eu, seus vícios emocionais e alcancem alta performance; 4. Precisamos pagar o preço; 5. Utilizava meus vícios emocionais como uma forma de AUTOSSABOTAGEM. Sim! Me autossabotava com meus vícios emocionais por não entender minha identidade, minha capacidade e meu merecimento.

Esta descoberta para mim foi tão libertadora, profunda e intensa que após fazer a formação em coaching me inscrevi em outra formação internacional para me tornar Especialista, Analista em Sabotadores e Autossabotagem sendo esta última especialização diretamente com o criador da metodologia capaz de mensurar  os níveis de autossabotagem dos indivíduos por meio de testes científicos.

O autoconhecimento é um caminho sem volta! Foguete não tem ré. Porém uma tarefa a ser executada e exercida cotidianamente. Para tanto se torna mais difícil impedir uma pessoa motivada, com autoestima elevada e crenças fortalecedoras ativadas.

 

Faço as seguintes perguntas:

  1. Você conhece seus vícios emocionais?
  2. Estando em uma situação de confronto ou estresse, normalmente você culpa a si mesmo, culpa os outros ou culpa as circunstâncias?
  3. O quanto você tem se autossabotado?
  4. Já pensou em passar por um processo de coaching?
  5. Quais mudanças pretende tomar a partir de hoje?

 

 

Esse artigo fez sentido para você?  Deixe nos comentários o que achou e se esse conteúdo foi relevante para sua vida.

 

 

 

Ronaldo Correia

Professor, Coach, Mentor, Especialista  Analista em sabotadores e Autossabotagem, Inteligência Emocional, Neurociência, Inteligência Positiva e Colunista da Revista Empire Notícias

Email: rlc.correia1974@gmail.com

(34) 99174-3743

 

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Publicidade

Nome do anunciante aqui!

Publicidade

Parceiro
Nome do anunciante aqui!
Parceiro
Nome do anunciante aqui!

Popular este mês

Publicidade

Parceiro
Nome do anunciante aqui!

Veja também

O sucesso do programa Empire Style está quebrando fronteiras entre a Europa e o coração mineiro
16Dez

O sucesso do programa Empire Style está quebrando fronteiras entre a Europa e o...

Da Europa para Uberlândia, Minas Gerais!

VIVA NOSSA “CONJUGALIDADE” DO DIA A DIA!
11Dez

VIVA NOSSA “CONJUGALIDADE” DO DIA A DIA!

VIVA NOSSA “CONJUGALIDADE” DO DIA A DIA!

MENINA NEM TE CONTO, MEU CORPO FALA!
24Nov

MENINA NEM TE CONTO, MEU CORPO FALA!

Quando eu comunico diferente, quimicamente eu tenho outra performance. Paulo Vieira

Pré lançamento do INSTITUTO HEBE CAMARGO
13Nov

Pré lançamento do INSTITUTO HEBE CAMARGO

Na Casa Floráh em São Paulo espaço super badalado que sempre recebe os melhores eventos da capital .

MAIS NOTÍCIAS

Publicidade

Parceiro
v
Parceiro
dcd
Parceiro
xc
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )